1.4.12

Ferramentas úteis para jornalistas

As ferramentas sociais mais representativas atualmente são:
Mas existem outras, muito úteis para jornalistas. Veja a lista proposta pelo Blog Teaching Journalism, com alguns adendos:
  1. Audioboo e SoundCloud gravar e compartilhar arquivos de áudio (ambas possuem aplicativos para celuar)
  2. CoveritLive e ScribbleLive para liveblogging
  3. Delicious e Diigo para compartilhamento de favoritos (bookmarking)
  4. Dipity e Intersect para linha do tempo interativa: Timelines in journalism: A closer look
  5. DocumentCloud: anotações, organização e publicação de documentos na web 
  6. Dropbox e 4shared compartilhamento de todo tipo de arquivo 
  7. Facebook: Facebook + Journalists: Getting Started
  8. Flickr para fotos
  9. Foursquare: 7 Ways Journalists Can Use Foursquare
  10. FreeDive: nova ferramenta de compartilhamento de dados do Knight Digital Media Center (fgratuita e open source)
  11. Google+: 5 Ways Journalists Are Using Google+
  12. Google Docs para escrita colaborativa e compartilhamento de arquivos
  13. Ferramentas do Google para dados e mapeamento: Maps, Fusion Tables, Charts —  veja também LucidChart
  14. Livestream e Twitcam para video streaming
  15. Path e Qki aplicativos móveis para video streaming (“smart journal”)
  16. Scoop.it 
  17. SlideShare e Vuvox para incorporação e compartilhamento de slideshows; Prezi para zooming presentations
Com informações de Teaching Journalism

27.3.11

5 anos do Twitter

No dia 21 de março de 2011, o Twitter comemorou cinco anos. Nesse tempo, a forma de apropriação dos usuários se alterou muito.

Programa Rede Mídia: http://www.redeminas.tv

6.11.10

Como jornalistas utilizam o Twitter

Pesquisa realizada na Noruega mostrou como os jornalistas de lá têm utilizado o Twitter. Um em cada dois jornalistas noruegueses utilizam a ferramenta. O microblog serve principalmente para pesquisa, como inspiração para pautas, rede de contatos e para conexão com leitores. Foram ouvidos 132 jornalistas.

- Pesquisa (30%)
- Uso pessoal (29%)
- Inspiração para pautas (23%)
- Promoção (17%)
- Construir rede de contatos com outros jornalistas (15%)
- Buscar contatos com fontes e realizar entrevistas (13%)
- Buscar feedback de leitores (12%)

Esta certamente não é uma lista conclusiva. Por aqui, temos visto outros usos como cobertura de eventos, documentação, trocas de ideias, busca de feedback e cross media com rádio, tv e jornais. Até já vi jornalistas utilizando a ferramenta para contar palavras de uma matéria.

Sem falar nas seções dos jornais que publicam repercussões e comentários do Twitter sobre diversos assuntos.

Há outras possibilidades como projetos em conjunto,  uma conta compartilhada para promover uma causa ou atingir públicos de nicho. Fizemos este exercício em um curso do Knight Center com ótimos resultados.

O Twitter pode ser considerado hoje a melhor plataforma para notícias atuais. Um espaço em que as diversas visões de mundo se encontram, em fluxo contínuo de atualização.

No final, trata-se de cada um encontrar a melhor utilidade, aquilo que lhe convém. Só não vale fazer da ferramenta uma fonte de angústia pelo volume de informação circulante. Afinal, tudo o que é realmente importante retorna em algum momento. Com o Twitter não é diferente.

Aos alunos de jornalismo, costumo dizer que podem até não gostar. Mas não podem ficar de fora.

Fontes http://bit.ly/am3vd7 e http://bit.ly/bNFWLz:

1.11.10

5 lições do Twitter para jornalistas em formação

(Tradução livre do artigo 5 Key Lessons That Journalists Learn From Twitter)


Twitter é uma ótima ferramenta de mídia social para jornalistas. Mas é fato que a grande maioria das pessoas não utiliza o Twitter para se informar. A boa notícia? O Twitter ensina valiosas lições que se aplicam ao jornalismo como um todo. Aqui estão cinco lições gerais que você pode aprender com seus hábitos de micro-mensagens.


1. Como conquistar a atenção das pessoas: como jornalista, você vai querer chamar o público para a sua história. Isso não significa necessariamente ser sensacionalista - mesmo se você estiver escrevendo um artigo sério e racional vai querer anunciá-lo com um bom título ou legenda. Por exemplo tweet do  @ HuffingtonPost sobre a acidente com mineiros no Chile (Shhhh! Mineiros chilenos não revelam detalhes do calvário) procura buscar audiência sem apelar para o sensacionalismo.

2. Como buscar informaçöes: o Twitter faz um ótimo trabalho incentivando as pessoas a seguirem quantas outras quiserem. O site mostra abertamente quantas pessoas o usuário segue e quantas pessoas são seguidas por ele. Há ferramentas incorporadas que incentivam seguir ainda mais gente. O Twitter permite ao jornalista multiplicar infinitamente suas fontes misturando-as na timeline. Isso ajuda a não confiar demais em apenas uma fonte. Naturalmente, o jornalismo responsável exige fontes respeitáveis, mas o Twitter ensina ao jornalista o valor de se clicar em busca de mais informações ... aprende-se rapidamente que os maiores tesouros estão muitas vezes em camadas mais profundas.

3. Como citar informações: simples e fácil. O Twitter incentiva os jornalistas a citarem suas fontes, encorajando o uso do símbolo @ e a abreviatura RT nas mensagens. No Twitter, não há vergonha em acenar para outras pessoas nos seus tweets. Tanto quanto o jornalista deseja notícias inéditas, é sempre má ideia se apossar da criação de outros, dizendo ser sua.

4. Como incorporar multimídia: o Twitter introduz o jornalista no mundo da multimídia. Especialmente com o novo Twitter, é possível perceber como fotos, vídeos e clipes de áudio podem enriquecer um artigo ou mensagem.

5. Como ser agressivo: o trabalho como repórter rapidamente ensina a necessidade de se impor para obter a informação que precisa. Algumas vezes, terá que ir a lugares aos quais não pertence,   mas se há um fato ou uma fonte que vai ajudar na sua história, você terá que ser  agressivo. Alguns ainda podem argumentar que o Twitter permite esconder atrás da parede da internet, mas o site realmente incentiva a se envolver em conversas com estranhos. Responder a alguém que não conhece ou retuitar uma fonte com a qual não tem nenhuma conexão, incentiva o hábito de se envolver e entrar em conversas alheias.

9.9.10

Matéria do Estado de Minas: Vai Pingar?/Socialização na escuta


Reportagem Frederico Bottrel/Foto Cristina Horta
(Caderno de Informática do Estado de Minas - 09/09/10)



O que foi anunciado como a primeira investida da Apple no cenário das mídias sociais já tem sido apontado como mais uma maneira de engordar os cofres da maçã. O Ping, serviço de rede social integrado ao iTunes, recebeu críticas severas de quem testou a ferramenta em sua primeira semana no ar. Blogs especializados, inclusive aqueles escritos por macmaníacos confessos, se revoltaram com a proposta do Ping, que permite que se ouça apenas 30 segundos das músicas.


Seria claramente uma estratégia para que o usuário comprasse a música inteira, no próprio ambiente da loja do iTunes. Esse é outro aspecto que fez os críticos torcerem o nariz: a Apple segue na contramão dos serviços em plataformas abertas na internet. O Ping funciona apenas no iTunes (e não simplesmente em um navegador, como qualquer outra rede social), no iPod ou no iPhone. É como se a Apple ignorasse por completo quem usa telefones Blackberry ou Android. Este modelo fechadão da empresa já é um clássico em seus lançamentos cheios de particularidades mercadológicas (iPad não tem USB, só para lembrar).

Por isso, especialistas preferem a cautela à certeza de que o lançamento da Apple será um sucesso. "As redes sociais se movem numa velocidade tão grande e com estratégias competitivas tão agressivas, que será preciso aguardar a reação das empresas e, principalmente, dos usuários. Os primeiros movimentos apontam para um certo desconforto do Facebook em relação à Apple e ao Ping. Por outro lado, vínhamos acompanhando uma aproximação maior entre Facebook e MySpace na última semana, antes do Ping. E há quem aponte um redirecionamento do MySpace com enfoque dedicado mais ao conteúdo do que à socialização", explica Lorena Tárcia, coordenadora do laboratório de convergência de mídias do Uni-BH.

No lançamento da novidade, Steve Jobs deixou claro quem são os inimigos que a Apple deve atacar com o Ping: "É como uma mistura de Twitter e Facebook". A inclinação da gigante da maçã em direção às redes sociais é indício de fenômeno curioso, como detalha Lorena: "É uma movimentação de gigantes e nem estamos ainda falando de Google, ameaça comum a todos. A questão está na importância da sociabilidade na rede. Não dá para ficar de fora".

Ela lembra, contudo, que tamanho não é documento na web: "A lógica da internet é fascinante neste sentido. Novas empresas sem grandes investimentos iniciais surgem e agregam as pessoas com velocidade, como o Twitter. Ao mesmo tempo em que projetos com grande aporte de investimento e marketing como o Google Wave definham frente ao desprezo dos usuários.

A palavra-chave é engajamento e, neste aspecto, a Apple já sai em vantagem. Mas, na rede, não basta ser grande, é preciso um charme especial que, felizmente ou infelizmente, não está acompanhado de manual". Como não há fórmula pronta, resta às gigantes correr atrás.

Por isso a rede da Apple tem tantas semelhanças com os dois mais bem sucedidos exemplos no cenário atual: é possível seguir o seu artista favorito, como no Twitter.

E também dá para colecionar amigos de forma mais direta que no microblog, à maneira do Facebook. Além de permitir a interação com os artistas, o Ping facilita para que você fique por dentro das atualizações desses amigos, veja fotos e vídeos, leia comentários etc. Uma outra ferramenta é centrada em agenda de shows – e aqui mistura conceitos do MySpace e do Facebook, já que é permitido confirmar presença nas apresentações e contar a seus amigos a respeito.
 
Pequenas, mas não pedaço
 
Há várias maneiras de se socializar o que se escuta, na internet. Pulverizado por meio de redes menores, o hábito de compartilhar gostos musicais se espalha por vários sites sem grandes pretensões. "Este público sustenta pequenas redes focadas na qualidade e não no volume de adesões", diz Lorena. São serviços gratuitos com o Last.FM, o Blip.FM ou o Rate your music, que permitem que se defina um perfil musical e troque informações com amigos de gostos parecidos. Sites como o Myspace e o Oi Novo Som acabam caindo nas graças de músicos em busca de visibilidade. Qualquer um deles é bacana para quem quer descobrir novos sons.

"Em termos de tendências, pelas próprias características da internet, penso que cada vez mais teremos mídias sociais com foco específico para que o usuário possa optar por aquela que mais lhe interesse. Assim como uma conexão entre elas, para que não seja necessário acessar sites distintos para interligar essas diversas redes de relacionamento", acredita Lorena.

O Blip.FM, por exemplo, permite integração com outras redes, como o Twitter e o Facebook, o que é apontado como um dos principais pontos positivos da plataforma. Para descobrir o que há de melhor em cada um dos sites de relacionamento concentrados em música, o Informátic@ conversou com fãs confessos de cada um dos serviços. Os sites têm focos e ferramentas diferentes. Decida qual deles pode ter mais a ver com o seu perfil.

22.8.10

Bate-papo no 5º Encontro de Twitteiros Culturais de Belo Horizonte

É possível divulgar uma notícia em 140 caracteres? Com o crescimento das redes sociais na web, veículos de comunicação e jornalistas, cada dia mais, aderem às novas tecnologias e ferramentas como Twitter, Orkut e Facebook para estreitar a relação com seus públicos de interesse, informando de forma instantânea, rápida e objetiva.

Diante das grandes possibilidades das redes sociais, o 5º Encontro de Twitteiros Culturais de Belo Horizonte (ETC_BH) tem como tema “Twittando e informando”. O objetivo do evento é discutir e entender o que muda no processo de gerar, consumir e divulgar informação a partir da popularaização das redes sociais. O encontro será no dia 1º de setembro (quarta-feira) a partir das 19h30, no anfiteatro (L2) do Pátio Savassi (Av. do Contorno, 6061 Savassi). O evento é realizado pela Estação do Saber, e contará nesta edição, com coordenação de Júlia Ramalho Pinto e Slomão Terra, patrocínio do Uni-BH e apoio do Shopping Pátio Savassi.

Para debater o assunto, o 5º Encontro de Twitteiros Culturais de Belo Horizonte (ETC_BH) contará com a presença do jornalista e analista de redes sociais e mediador do debate, Salomão Terra (www.twitter.com.br/salomaoterra ); da jornalista e especialista em novas tecnologias de comunicação, Lorena Tarcia (www.twitter.com.br/lorenatarcia ); e do jornalista, Rogério Tavares; e da diretora da Estação do Saber, Júlia Ramalho Pinto (www.twitter.com/@arpjulia ).

Aula inaugural na UFOP

Dia 27/08, às 19h no auditório do ICSA teremos nossa Aula Inaugural com a jornalista Lorena Tárcia, especialista em Tecnologias Digitais, Comunicação e Convergência de Mídias. Professora de Jornalismo Online do Centro Universitário de Belo Horizonte, UNIBH, em Belo Horizonte.Coordenadora do laboratório de Convergência de Mídias. Mestre em Educação e Tecnologias Digitais pela PUC Minas. Formação em Convergência pelo Instituto Newsplex, Univ. Carolina do Sul, EUA.

Fonte: http://bit.ly/cbSOyU